MaisRio

Guia da Cidade do Rio de Janeiro

Buscar

• A chegada da corte portuguesa à cidade do Rio de Janeiro (08mar1808)

A chegada da corte portuguesa à cidade do Rio de Janeiro

Após breve estada em Salvador, D. João e sua corte embarcaram rumo a cidade de Rio de Janeiro. A chegada à cidade do rio de Janeiro aconteceu no dia 8 de março, no cais do Largo do Paço, na atual Praça XV. A família real, então, foi alojada em três prédios no centro da cidade, tendo os demais agregados se espalharado pela cidade, em residências confiscadas da população. Esta era a famosa política chamada de “Ponha-se na Rua”, cujo nome foi dado pelos cariocas, inspirando-se nas iniciais “PR”, vindas de “Príncipe Regente” ou de “Prédio Roubado” como os mais irônicos diziam. Estas iniciais eram marcadas nas portas das casas que eram requisitadas para os nobres vindo de Portugal.

A suspensão da proibição de criação de indústrias no Brasil

  • Em abril de 1808, já tendo fixado residência no Rio de Janeiro, D. João decretou a suspensão do alvará de 1785, que proibia a criação de indústrias no Brasil. Ficavam, assim, autorizadas as atividades em território colonial. A medida permitiu a instalação, em 1811, de duas fábricas de ferro, em São Paulo e em Minas Gerais. Mas o sopro de desenvolvimento parou por aí, pois a presença de artigos ingleses bem elaborados e a preços relativamente acessíveis bloqueava a produção de similares em território brasileiro.

A declaração de guerra à França e a ocupação da Guiana Francesa

  • Em outra medida tomada logo após a chegada da corte ao Brasil, o governo de D. João declarou guerra à França, e, com o auxílio dos ingleses, partiu para a ocupação da Guiana Francesa em 1809. Nesse primeiro momento, a política externa do governo português, estava diretamente atrelada aos interesses estratégicos da Inglaterra. A atitude de subserviência da Coroa portuguesa à Coroa britânica mudaria apenas nos conflitos da região do Prata.

A nova sede do Império Lusitano

  • Durante a permanência da corte no Rio de Janeiro, o perímetro da cidade foi ampliado com a construção de novas moradias e edificações destinadas a repartições públicas, armazéns e casas de comércio. Além disso, a população urbana cresceu muito. O enraizamento das pessoas de prestígio que se transferiram em 1808 foi acompanhado pela fixação de negociantes e artífices estrangeiros, pelo deslocamento de diplomatas e por enorme fluxo migratório de portugueses que saíam de reino na esperança de conseguir melhores condições de vida no Brasil.

  • Toda essa movimentação acarretou profundas mudanças na arquitetura da cidade, na discriminação dos bairros e na distribuição dos moradores, acentuando-se as diferenças sociais. A vida cotidiana das famílias de homens livres, pobres e remediados tornou-se mais difícil por causa do aumento do preço dos materiais de construção, da valorização dos aluguéis e da elevação do preço dos imóveis.

Impostos para sustentar a corte

  • Ao chegar ao Rio de Janeiro, em 1808, D. João tratou logo de organizar o governo, distribuindo os cargos administrativos entre homens da nobreza. "Tudo se resumia em situar no mundo político e administrativo os fugitivos desempregados, colocando-lhes na boca uma teta do Tesouro".

  • Além dos nobres que não dispunham de meios próprios de vida, havia monsenhores, desembargadores, empregados da casa real, médicos, homens do serviço privado da família real e protegidos de D. João.

  • Assim, o governo instalado no Rio de Janeiro foi constituído com os mesmos vícios que o caracterizavam em Lisboa: empreguismo, utilização dos recursos públicos para fins privados do rei, da nobreza e da alta burocracia do Estado, desperdício, corrupção. O reino deveria servir à camada dominante, ao seu desfrute e gozo. Os fidalgos ganharam pensões; os oficiais da Armada e do Exército, acesso aos postos superiores; os funcionários civis e eclesiásticos, empregos e benefícios.

  • Com toda essa gente vivendo à custa do governo, foi preciso aumentar a carga de impostos. Dessa forma, a receita pública subiu mais de quatro vezes entre 1808 e 1820. Nesse mesmo ano, dois terços das despesas do governo eram destinados ao pagamento de pensões e soldos e a custear a casa real, o Exército e os tribunais. Como se pode imaginar, muito pouco sobrava para investir em saúde, educação, saneamento básico, transportes, construção de estradas, melhoramentos urbanos e outros serviços de utilidade pública.

 

Um novo Brasil

Resumo

 

  • A presença da família real em terras coloniais era um fato inusitado e acabou provocando muitas transformações no Brasil; dentre as inúmeras mudanças que ocorreram, destacam-se:
    • A fundação do Banco do Brasil, em 1808

    • A criação da Imprensa Régia e a autorização para o funcionamento de tipografias e para a publicação de jornais também em 1808

    • A abertura de algumas escolas, entre as quais duas de medicina – uma na Bahia e outra no Rio de Janeiro

    • A instalação de uma fábrica de pólvora e de indústrias de ferro em Minas Gerais e em São Paulo

    • A vinda da ‘’Missão Artística Francesa’’, em 1816, e a fundação da Academia de Belas-Artes

    • A mudança de denominação das unidades territoriais, que deixaram de se chamar ‘’capitanias’’ e passaram a denominar-se ‘’províncias’’ (1821)

    • A criação da Biblioteca Real (1810), do Jardim Botânico (1811) e do Museu Real (1818), mais tarde Museu Nacional

  • Um novo Brasil (wikipédia)

 

 


NO FACEBOOK
SUA PRÓXIMA VIAGEM Veja Todos

Copyright MAISRIO © 2009-2012. Todos os direitos reservados